Archive for February, 2010

Aglio e Olio (e alho negro) no Gourmandise

Sunday, February 28th, 2010

Ficou simplesmente lindo o prato de pasta e alho negro da Nina Mori, do Gourmandise.

A receita está lá no blog: http://gourmandisebrasil.blogspot.com/2010/02/aglio-e-olio-e-alho-negro.html

Segundo Sorteio no Twitter

Saturday, February 27th, 2010

A segunda contemplada com 3 cabeças de alho negro é a @gesiane

O sorteio foi realizado pelo sorteie.me que escolheu um dos meus “followers”:

http://sorteie.me/6wg

No Twitter

Saturday, February 27th, 2010

Também estou no Twitter: http://twitter.com/marisaono

Ontem sorteei 3 cabeças de alho negro para um dos meus “followers”. O contemplado foi o Losnet:

http://sorteie.me/6st

Para os próximos dias sortearei outras amostras.

Ganhei Alho Negro!

Friday, February 26th, 2010

Antes que me chamem de louca, é melhor eu explicar. Ganhei um bulbo lindo de alho negro de Aomori, Japão.

Quem me fez essa tremenda gentileza foi a Maria Izabel do Bistrô Charlô. Lamentei-me com ela que até agora não tinha provado do alho japonês e que estava trabalhando totalmente às cegas, confiando em comentários, descrições e, por que não dizer, intuição.

No verso, dados importantíssimos para mim: Valores nutricionais e instrução de consumo e conservação.

E embaixo, a etiqueta do distribuidor francês.

Por dentro, o dente negro e ligeiramente enrugado. A consistência é firme e o sabor, um tanto quanto ácido.

O da esquerda é o meu alho negro. Agora, com essa amostra, tenho parâmetros e condições de fazer um produto melhor. E vou confessar a vocês: estou sentindo-me bem mais confiante e até mesmo aliviada com isso. E também feliz, por saber que existem pessoas generosas e de boa-vontade como a Maria Izabel.

Sobre o Alho Negro

Thursday, February 25th, 2010

Aqui respondo a algumas perguntas mais frequentes sobre o  alho negro:

Não é uma variedade de alho. Trata-se do mesmo alho que compramos no supermercado ou feiras. A diferença está no processo pelo qual ele passa.

Não é adicionado nenhum aditivo. Nada de glutamato, nem shoyu, nem açúcar, nada. Também não é bombardeado com raios gama. Apesar da dramática diferença, ele não passa por nenhum processo tão traumático assim. Apenas fica sob temperatura e umidade controlados.

O sabor é diferente do alho comum. Não tem o cheiro característico, não deixa “bafo”. Alguns dizem que lembra ameixas ou tâmaras secas. Outros comentam um sabor que lembra também cogumelos, vinho tinto, balsâmico, o “umami” do shoyu, um toque de melado. Mas continua com um finalzinho de alho, sim.

Dizem que faz bem à saúde. Eu não posso afirmar nada, mas no Japão tem a fama de abaixar a pressão, fortalecer o sistema imunológico e prevenir o envelhecimento precoce. Consomem como remédio, alguns dentes por dia, assim como nós consumimos algumas castanhas-do-Pará, por exemplo.

Quanto à conservação, já sei que dura mais de 3 meses na geladeira. Ainda estou fazendo testes de conservação fora dela, em embalagem reforçada, mas ainda é cedo para dizer algo. Se a intenção é fazer uma pasta, a cabeça de alho pode ser hidratada, como hidratamos uma uva passa. Mergulhe em água, deixe algum tempo e depois mantenha-a em um saco plástico fechado, para que absorva a água lentamente.

E se tiverem mais alguma dúvida, entrem em contato comigo:

marisaono@gmail.com