Yoshinoya

Cada vez mais as pessoas passam menos tempo na cozinha. Isso é fato. As indústrias oferecem hoje muito mais opções congeladas, refrigeradas, enlatadas, desidratadas, liofilizadas, pronta ou semi-pronta. A seção de congelados, em alguns supermercados, pode ocupar quase um terço do estabelecimento! Sem falar nos serviços de entrega a domicílio, nas opções para se levar para casa ou comer fora. No Japão não é diferente. Existem muitos lugares onde se pode ter uma refeição quente e rápica (e esse lugar pode ser uma porta e um balcão ou uma loja grande, bem iluminada, funcionando 24 horas por dia). Ou levar para casa. Ou ambas.

Bem, de tantos lugares, acho que não sei de nenhum que tenha despertado tanta paixão e revolta quanto o Yoshinoya. A rede existe há muito tempo e até aquela época, só serviam um prato: o gyudon. Arroz coberto com tiras de carne e cebola cozidas. Simples, quente, satisfatório. Eu mesmo levei para casa várias porções, que comia com ovo cru, fresco, pimenta vermelha e gengibre. Era muito barato, acho que 380 ienes. As lojas ficam abertas 24 horas por dia. Sempre tem alguém comendo lá, do café da manhã ao jantar, de madrugada, no meio da tarde.

Então detectaram a doença da vaca louca no gado americano. O Japão parou de importar carne americana e aumentou a importação de carne australiana. O Yoshinoya não poderia vender as refeições por aquele preço e nem queria comprar a carne australiana, mais magra e mais rija. Decidiram parar de vender o único prato que faziam e passaram a oferecer pratos à base de porco ou frango.

Clientes faziam fila para comer o último gyudon. Muita gente reclamou, claro. Não queriam ficar sem a tigela de arroz e carne. Mas a empresa manteve a posição e disse que só voltaria a vende-lo quando o país liberasse a importação de carne americana. Virou notícia em todo o país. E o Yoshinoya passou a oferecer outros pratos, à base de carne de porco ou frango. Ainda hoje mantém essas opções. Em março deste ano voltou a vender seu famoso gyudon, com carne americana, australiana e mexicana. Para felicidade dos clientes. (http://www.yoshinoya-dc.com/brand/menu/gyudon.html)

Eu gosto de gyudon. Aliás, gosto de muitos domburis, uma refeição em uma tigela. Existem várias receitas desse prato. E não fica ruim se feito com porco – no caso, seria o butadon.

Gyudon

Ingredientes:
60 ml de sake
60 ml de vinho branco suave
50 a 60 ml de shoyu (varia um pouco de marca para marca, algumas são mais salgadas)
20 ml de mirim
160 ml de água
2 colheres (chá) de açúcar
1 colher (chá) de caldo de carne em pó
1 colher (chá) de hondashi ou kombudashi (pó)
1 colher (chá) de gengibre ralado
meia cebola em fatias
300 a 400 gramas de carne fatiada bem fino
Arroz branco em uma tigela

Refogue a cebola em um pouco de óleo até ficar transparente. Junte o sakê, o vinho, o mirim e o açúcar. Deixe ferver. Junte a água, o shoyu e os caldos. Espere ferver e adione a carne, mexendo eventualmente. Não cozinhe demais, para que ela não resseque. Junte o gengibre no último instante. Verifique o sal.
Cubra o arroz com uma porção de carne e um pouco do caldo. Sirva acompanhado de gengibre em conserva e pimenta vermelha em pó.

PS: Já fiz também utilizando apenas vinho branco doce, no lugar do vinho branco e mirim. Ficou muito bom, também. Acrescentar cebolinha verde em pedaços também não é crime. Ou shiratake – uma gelatina fibrosa modelada como fios, parecida com o konnyaku.

Print Friendly
Share This Post
Esta entrada foi publicada em carnes., Culinária japonesa, Fácil, Lugares, rápido, receita com as tags , , . ligação permanente.

15 respostas a Yoshinoya

  1. Pingback: Fast Food Japonês | Delícia

  2. Anderson Silva diz:

    Marisa Ono,adorei seu blog.Me faz lembrar dos bons momentos que vivi na Terra do Sol Nascente e fazendo essas receitas eu mato um pouco a saudade deste país adorável.Já comi muito no Yoshinoya mas particularmente eu preferia o Sukiya onde muitas vezes eu ia com a familia e tambem quando trabalhava de yakim,saia de madrugada do serviço e antes de ir pra casa dava uma passadinha por lá.Quanta saudade !!
    Domo arigatou gozaimashita !

  3. Marisa Ono diz:

    Anderson, houve uma época que eu frequentava só o Sukiya, por um motivo simples: ficava no meio do caminho, bem na minha mão. Havia um Yoshinoya, mas era do outro lado da cidade, em uma avenida movimentada e que exigia que eu viesse pela direção certa. Eu chamava o Sukiya de “podrinho”, porque a loja não era lá muito bonita, as vidraças pareciam eternamente ensebadas mas… a comida era barata, sempre quentinha, à qualquer hora do dia ou da noite. E além de ser rápido, era até que equilibrado, sem a gordureba quase sempre presente nos obentôs de loja de conveniência.
    Passei a frequentar o Yoshinoya quando mudei de endereço e de trabalho. Como você, saía de manhã, passava a mão em um gyudon e ia comer em casa – que era perto, nem dava tempo de esfriar.

  4. edgar adachi diz:

    Muito legal essa dica. Umas das coisas que tenho realmente saudades no japão é do Yoshinoya. Ahh… só faltou dizer a quantidade de molho shoyu.

  5. Marisa Ono diz:

    É mesmo, Edgar. Já corrigi.

  6. samy diz:

    nossa sou apaixonada pelo yoshinoya ia todos os dias comer morei n jp muitos anos e mesmo gravida andava um pokinho e nunka deixava de ir saborear essa deliciaaaa..obrigadinha pela receita amooo comida japones ..

  7. gustavo diz:

    ola que tipo de carne vc recomenda

  8. Marisa Ono diz:

    Eu costumo usar contrafilé, que tem um pouco de gordura.

  9. Yamamoto Diogenes diz:

    Espero que o Japão se recupere rapidamente do terremoto e do tsunami que atingil o seu Pais,e que empresa tão eficiente como a do grupo Yoshinoya encontre soluções para seu contra tempos e se recuperem e continuem a servir um dos mais simples e adoraveis pratos que tive a opurtunidade de degustar,Rezo pela recuperação de todos e acredito em sua capacidade.Gambate mina…Yamacham

  10. Claudia diz:

    Ola ,o que seria o mirim da receita obrigada

  11. Marisa Ono diz:

    Mirin ou mirim é um licor feito de arroz. Tem uma cor amarelada e é doce. Se não encontrar, substitua por um pouco de açúcar.

  12. caio diz:

    Fui uma vez no Yoshinoya, um amigo me levou adorei o sabor enorme num simples arroz e carne, mais depois conheci o sukiya, não sai mais de lá era na minha rua, agora depois de 3 anos no Brasil, estou morreendo de vontade de ir no Sukiya que tem em Sp,…..abraço gene

  13. nilceia diz:

    nossa amei o seu site,estava procurando umas receitas de pao e o encontrei,amo yoshinoya comia quase todos os dias na minha gravidez,que saudade,prato barato e delcioso,vou faser ,,obrigado mesmo

  14. Clarice diz:

    Marisa, adoro suas receitas! Eu gostaria de saber se tem algum lugar em São Paulo que vende a carne fatiada fininha para Gyudon, pois eu não consegui fazer, além das minhas facas não serem afiadas o suficiente.
    Obrigada!

  15. Marisa Ono diz:

    Clarice, dê uma procurada na sessão de congelados em mercearias orientais da Liberdade. Alguns açougues do Bom Retiro também fazem esses cortes.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *