18 Comments

  1. Cassia

    Obrigada por ter atendido meu pedido Marisa! Essa receita para mim tem gosto de infância e fazem muitos – muitos mesmo – anos que eu não tenho oportunidade de prová-la! Vou correndo ver se acho sardinhas frescas! Beijos!

  2. admin

    Espero que fiquem parecidas com as que você comia, Cássia. Como falei, é uma coisa de gosto pessoal. Em casa, as sardinhas são bem curtidas, mas conheço quem prefira menos. Talvez seja preciso experimentar vinagres diferentes para chegar ao sabor desejado.

  3. Como já deve ter notado, gosto de peixes azuis, como cavalinha e sardinha; digamos, os peixes menos nobres. Gosto do sabor ‘namagussai'(sabor e cheiro fortes) e não dispenso – ao menos 2 vezes ao mês – esse ‘suzuke de sardinha’ que vc propõe. Costumo usar o vinagre de maçã, que está mais para agridoce, menos pungente na acidez. Numa versão mais popular, faço tbém enroladinho na cebola para curti-las mais tempo. Na minha infância, havia um boteco sujinho perto de casa que expunha um vidrão enorme, cheio destas sardinhas enroladas no balcão. Os ‘beudos’ beliscavam esse aperitivo com pinguinha ou cerveja, e me lembro que já então a sardinha enrolada se tornara meu objeto de desejo,rs, mas que nunca tive coragem de pedir ao Seu Simão, dono do bar! Só de vê-las, começava a salivar imaginando a acidez do vinagre,rs.

    PS: Acabo sempre entrando aquí na sua cozinha pra jogar conversinha fora,rs. Abraçõs.

  4. Marisa Ono

    Há muito tempo que não vejo as “cobrinhas”. Antes via até em alguns supermercados. Bem, hoje em dia quase não vou a bares tampouco… Mas a mãe era fã da versão tupiniquim dos rollmops, que fazia salgando os filés de sardinha para que ganhassem uma textura mais firme. No entanto, depois da úlcera, ela diminuiu o consumo de conservas no vinagre.

    E nem todo peixe azul é “pobre”. O atum também é considerado peixe azul pelos japoneses. Infelizmente agora só encontramos sardinhas congeladas. Elas entraram no período que chamam de defeso…

  5. Marisa Ono

    Eu não conheço conserva de sardinha com açúcar. Pelo que eu sei, a sardinha é conservada em solução ácida e o arroz é agridoce.

  6. Elias

    Eu temperei as sardinhas para frita-las a milanesa ou natural, mas de um dia para ooutro elas ficaram com uma aparencia tão bonita que eu resolvi comer uma crua mesmo e achei uma delícia. Não comi mais com medo porque meu pai ficou falando pra mim que tinha salmonela, bacteria e mais algumas coisas ruins. Então resolvi buscar na internet se era possível degusta-las cruamente e cheguei aqui.
    Boa receita, agora ja não tenho tanto medo de comer sardinha crua.

  7. Marisa Ono

    Elias, salmonella dificilmente sobrevive em ambientes ácidos. Por isso a relativa segurança no suzuke, no ceviche e rollmops (no Brasil fazem um petisco parecido, chamado de “cobrinha”).

  8. Edna Yamamoto

    Bom dia!

    Por favor, existe a possibilidade de postar uma receita de yokan deste o principio do feijão azuki até a sua finalização?

    Sei que ja existe uma receita de yokan, mas existe alguns ingredientes que não tem aqui na minha cidade ou região.

    Muito obrigada

    Edna Yamamoto

  9. Marisa Ono

    Edna, eu já publiquei uma receita de anko. Para fazer o koshi-an, basta passar pela peneira, coar e separar a massa. A casca do azuki fica na peneira.

  10. hayashi

    Marisa boa noite.
    Tenho uma duvida, costumo comer em um restaurante japones e la servem uma sardinha com nome de sambaizu, tentei chegar na receita em casa mas nao consigo. Eles usam cavalinha fatiada ou sardinha. Ela é bem firme no prato e tem um gosto agridoce, ao desgusta-la lembra tambem um gosto de vinagre. será que é a mesma receita a qual a sra menciona nesse tópico?
    Ja li temas sobre sambaizu mas não acho nada que envolva tais peixes…
    Domu!

  11. Marisa Ono

    Sambaizu é o nome que dão para um molho, que combina os sabores salgado, doce e azedo. Só isso. Não tem nada a ver com o peixe. Também pode ser empregado em conservas (tsukemonos) que tenham esses sabores ou marinadas.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *