8 Comments

  1. Faz um ano que a fila deste restaurante é longa. Está na moda, fazer o que. Daqui a pouco passa e só os habitues irão frequentar. O giro é tão alto, que nem falam mais irashaimassê.
    bjo

  2. É mesmo, o gyoza sai atrasado lá no Aska. Eles deveriam avisar que demora.
    Por exemplo, o pessoal do Ton Hoi (um chinês muito bom na zona oeste) avisa que o pastelzinho kialza demora pelo menos 20 minutos. Bom, mas não se pode comparar o atendimento deles a nenhum outro da cidade, na minha opinião.
    Mas voltando ao Aska, concordo, não é o melhor do mundo, mas está muito longe de ser o pior.

  3. admin

    Nina, não é só o Aska, não. A Liberdade, de uma maneira geral, está abarrotada de gente. Vamos ver se, passando o final de ano, a coisa fique mais tranquila.

  4. Fabricia Osada.

    Marisa , voce pagou 15 reais por um prato de lamen!!! Nossa amiga isso eh que eh vontade de matar a saudade daqui. Agora que esta frio sempre que vou comer lamen , me lembro de voce. E hoje vendo seu post, fui no ramen-ramen comprar uma tigela de lamen, so que aqui no Japao eu nao preciso enfrentar a fila e nem pagar tanto.

    Bejim.

  5. admin

    Fabricia, se não me falha a memória, um lamen custava entre 380 a 680 ienes. 380 do lamen, mais 250 do refrigerante (embora alguns lugares fizessem por 150), dão 630 ienes. Pela cotação de anteontem (que o dolar chegou a cair para 88 ienes), uma refeição custaria 7 dólares e pouco. Ou seja, mais ou menos 15 reais, mesmo. A diferença é que para ganhar 630 ienes, eu não trabalhava nem uma hora… Para fazer 15 reais, é outra história.

  6. Marcos

    Olá Marisa.
    Parabéns pelo blog. Sei que estou ressucitando um tópico meio antigo mas gostaria de fazer uma pequena defesa do Aska.
    É claro que os melhores lamens estão no Japão, mas acredito que em termos de Brasil, é o mais próximo que podemos chegar de um bom lamen. O caldo tonkostu parece que só eles fazem. A massa é fresca, de fabricação própria, ao contrário de outros estabelecimentos que usam massa importada que vem congelada. A massa apropriada para o caldo tonkotsu é a mais fina, mas é possível pedir esse caldo com o lamen normal (mais grosso). Sei que muita gente teve e tem problemas com o atendimento, mas isso é, em grande parte, por falta de conhecimento dos brasileiros sobre a cultura do lamen-ya, o que gera essas filas com tempos de espera enormes.
    Eu realmente gostaria de ter outras opções de lamen-ya por aqui, mas infelizmente isso ainda não é uma realidade. O Lamen Kazu, por exemplo, tem uma ótima apresentação e um belo ambiente, mas além de caro, sequer produz o próprio macarrão, recorrendo à massa importada e congelada.
    Eis uma ótima oportunidade para quem tiver recursos: Abrir um Lamen-ya que esteja, ao menos, no mesmo nível do Aska, para que possamos ter mais de uma opção.
    Mais uma vez, parabéns pelo blog.

  7. Marisa Ono

    Eu também gostaria de ver mais lojas de lamen, mas não creio que haja público para tanto pelo Brasil. E fazer lamen, pode parecer fácil mas não é.

  8. Marcos

    Pelo Brasil eu não digo, mas a Liberdade comporta, pelo menos mais umas 2 ou 3 lojas, se forem de qualidade. Basta ver as filas que se formam no Aska e no Kazu. De fato, fazer lamen é muito complexo. Pelo que li a respeito destas duas casas da Liberdade, os proprietários foram aprender a arte diretamente no Japão. Por isso é que eu disse que a pessoa precisa ter recursos, além de gostar muito de lamen. Eu, infelizmente, só preencho o último requisito… 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *