Chicken Doria

chicken-doria

Sempre achei que “doria” seria um prato de origem européia. O fato é que nunca parei para pensar muito nisso quando estava diante do menu de algum restaurante para lá de popular, como o Denny’s, o Gusto ou Sawayakaya (eu frequentava esses restaurantes por dois motivos: ficavam abertos até tarde ou sequer fechavam e eu tinha um horário de trabalho bem inconveniente). Mas, pelo que andei pesquisando, ele é um prato japonês, de inspiração ocidental, como o omuraisu. Trata-se de um arroz puxado na manteiga, coberto com um refogado que pode ser de frango, frutos do mar ou vegetais e uma generosa camada de molho branco e queijo ralado. É levado ao forno para gratinar e sempre vi servido em porções individuais.

3 xícaras de arroz cozido

1 colher de sopa de manteiga

1/2 sobrecoxa de frango, picada em cubinhos

1 ovo cozido, picado

1 cebola pequena, cortada em cubinhos

Óleo, sal e pimenta

Molho branco

Queijo ralado

Aqueça o arroz em uma frigideira com a manteiga. Salgue levemente. Divida em 2 refratários pequenos.

Refogue a cebola picada. Acrescente o frango. Refogue até que ele fique cozido. Tempere com sal e pimenta. Se quiser, acrescente cogumelos, ervilhas ou aspargos.

Distribua sobre o arroz. Acrescente pedaços de ovo cozido. Cubra tudo com molho branco não muito espêsso. Polvilhe queijo ralado e leve ao forno quente até corar bem.  Sirva imediatamente.

Para o molho branco, derreto manteiga em uma panela pequena. Acrescento farinha e misturo. Vou despejando leite frio aos poucos, misturando com um batedor (fouet) e acrescentando mais leite conforme ele for sendo incorporado. Tempero com sal e pimenta-do-reino. Cozinho alguns minutos em fogo baixo, para que a farinha fique bem cozida e parte da água evapore. Normalmente, 1 colher de manteiga e 1 colher de farinha são suficientes para 200 ml de leite.

Share This Post

5 comentários em “Chicken Doria”

  1. Ebi Guratan me lembra um restaurante bacaninha em Tokyo (lá por 1992 ou 93). Restaurante pequeno, chef do outro lado do balcão,com dolmã e toque, cozinhando. Achei que seria uma boa experiência. O alarme disparou quando ele pesou a porção de penne. Resumindo: comi 6 pedaços de massa, fiquei caçando o que comer no prato e senti-me lesada.
    Por outro lado, já aconteceu de eu estar em um restaurante e o chef (italiano) arrastar um japonês macarrônico e perguntar se havia algum problema com a comida, porque uma pessoa na mesa comeu só a metade da porção (generosa, aliás).

  2. gente, que saudades do Gusto e do Denny’s, ia quase todas as semanas. Será que vc podia ensinar a fazer o giudon (não sei se é assim q se escreve) do Yoshinoya?. Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *