11 Comments

  1. Adoro domburi.
    Oyakodon. Donburi da mãe e filho, galinha e seu ovo. O Donburi de nome mais criativo.
    E realmente como você citou, é bem sutil o equilíbrio do salgado/doce de um Oyakodon.
    E nesse caso é bem fácil errar esse equilíbrio né?

    Um tanto off-topic: há uns meses atrás ri muito com um programa da tv japonesa, bem na linha tosco/engraçado.
    Programa que tinha o desafio de preparar um Oyakodon. Porém em vez de ovo de galinha, ovo de avestruz!
    Toda aquela bagunça na hora de prepara-lo. Ovo quase inquebrável. E quando quebrou, voou ovo para todo lado, etc…
    No final, deu um prato bonito! E disseram que estava gostoso.

  2. Olá Marisa.
    Acompanho seu ótimo blog há algum tempo e ontem resolvi testar esta receita do Oyakodon!
    Acontece que por questões de LDL alto :), fiz duas porções da receita com 3 ovos ao invés de 4. Obviamente ficou mais “caldaloso” e escuro que a sua foto, mas mesmo assim tava muito bom.
    Cometi um crime contra o Oyakodon?

  3. Marisa Ono

    Márcio, a cor vai depender do tipo de shoyu. Eu prefiro o usukuchi (que é mais claro) e geralmente opto pelo que tem menor teor de sal. Em lojas de produtos orientais vai encontrar várias marcas importadas. As nacionais costumam ser mais escuras, mesmo. Mas isso não chega a ser um problema. Quanto à quantidade de ovos e caldo, pergunto: ficou gostoso? Se você não vai servir em um restaurante sob o título de “receita original” ou “receita tradicional”, qualquer alteração é válida. Agora, a receita original, mesmo, creio que só com o descendente do criador, que ainda toca o restaurante secular da família…

  4. Marisa Ono

    Um casal que conheço ganhou um ovo de avestruz de um criador (aliás, aqui perto de casa) e acabaram fazendo um tamagoyaki, porque era um ovo grande demais, Alexandre.

  5. Marisa, obrigado pela dica!
    Assim que der vou na liberdade comprar esse shoyu.
    Aproveitando a mensagem, estava “vasculhando” os seus arquivos de sopas e senti falta de um post sobre o Osuimono. Pelo que eu andei lendo, a base é o ichiban dashi mas o resto dos ingredientes variam muito. Você tem a sua?
    Eu nunca fiz, mas aprecio muito um bem simples com um fundinho bem leve de limão, do Hamatyo.
    Abraço

  6. Marisa Ono

    Ah, Márcio, sabe de uma coisa? Aqui em casa só tomamos misoshiru. Não me pergunte porquê. Mas um dia desses publico uma sopa coreana que provei em um restaurante, há algum tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *