8 Comments

  1. Hummmm…Fico tão feliz com a grande oferta de salmão(chileno, suponho)que se vê no Brasil hoje, coisa que nos meus tempos não havia. Fazê-lo grelhado e comê-lo com oniguiri é o máximo pra mim. Sua sugestão é utilíssima pela versatilidade do seu uso. Usado no espaguete ou outros tipos de pasta tbém não seria mal. Já faz uns anos que não tenho ido ao Japão, mas sempre que devo escolher um bentô na rua, acabo ficando com aquele que tem um yakizakana ou esse salmão no meio. Uma vez, um comerciante japonês me explicou que dentre várias tonalidades do salmão, os mais vermelhos são os mais caros. Dizia que os rosados são aqueles que não subiram completamente o rio, e que a tonalidade se estabelece justamente neste esforço físico, mas não sei qto isso seja verdade. A propósito, vc que possui um defumador, esse mesmo salmão pode passar por lá tbém, não? Hummmm…. Abraços!

  2. Diulza

    Marisa boa tarde, Obrigado pela receita do pepino, ja fiz a encomenda por meu feirante vou fazer este fim de semano, depois te conto, uma pergunta eu sempre tenho o salmao feito gravilax, sera que daria certo porque ele fica bem seco e depois assaria que vocë acha sera que daria certo. Bjs

  3. Marisa Ono

    Sim, LuMa. O benisake (ou benishake, como pronunciam na região em torno de Tokyo) é de uma cor mais intensa e é mais caro. Mas, pelo que sei, é uma das 5 ou 6 espécies pescadas por lá. Também me disseram que o macho tem a carne mais saborosa. Em algumas espécies ele é facilmente reconhecido pela mandíbula proeminente.

  4. Marisa Ono

    O gravlax leva condimentos e açúcar, Diulza. No caso, o salmão foi salgado apenas para perder água e ficar… salgado. Eu não recomendo assar porque ficaria seco e mais difícil de desfiar.

  5. Ceiça

    Oi, Marisa! Aproveito pra perguntar sobre o peixe que é colocado ao sol. Será que você pode expicar como se faz?
    É só o filé? Tem peixe apropriado para este fim? Beijos.

  6. Diulza

    oi Marisa boa tarde, queria se possivél vc, fazer a receita e Nikuma, passo a passo como fez no gyoza, eu vi na NHK, mais sabe como é nao entendo a lingua nem a escrita so entendi as medidas e rsrsrsrs, as vezes gravo e faço pois conhecos muito os produtos e da para fazer, magica, ha, as cebolinhas chegaram ja preparei mais ta caro, mais valeu obrigado bom fim de semanobjs.

  7. Marisa Ono

    Na cozinha adaptada nikkei (ou seja, o que a minha mãe e tias fazem), seca-se quase que qualquer peixe, até mesmo lambari! O processo é salga e secagem ao sol. Arrumamos até um tipo de caixote com tela para que as moscas não pousem. No entanto, os peixes salgados que vi no Japão costumavam ser secos no frio, depois de mergulhados em uma salmoura. A intenção, a meu ver, é alterar a textura. Não são tão secos e precisam ser mantidos refrigerados. Por lá encontra-se muita cavala, sardinha, chicharro, lulas. O salmão é salgado inteiro, quase um charque de salmão. Há um tipo de bacalhau por lá também, vindo de Hokkaido.
    Eu só não gostei de pacu salgado. A gordura (e como tem gordura!) do peixe logo rança e fica com um cheiro terrível…
    Os peixes são cortados ou em dois (a espinha ficaria em uma das metades) ou abertos pelas costas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *