12 Comments

  1. Myrna

    Marisa, foi ÓTIMO conhecer um bom lugar em boa companhia!! Fazia anos que a gente não ia à Liberdade e o almoço de ontem foi muito bom, obrigada pela escolha!

  2. Marisa Ono

    Eu é que agradeço, Myrna. A companhia foi ótima! E o restaurante foi um achado, não? A comida é boa e foge bastante do padrão de comida “oriental” que se tornou bastante popular…

  3. Marisa Ono

    Experimente ir, Daniel. De preferência, com um grupo de amigos. O cardápio é bem diferente do convencional e, pelo que vi, a comunidade chinesa adora. Eram poucos os clientes que falavam português…

  4. O LP matou a vontade de comer o “intestino grosso”? =) Ainda bem q é frito, se fosse cozido acho q o cheiro seria mais forte.
    Sábado no jantar comemos uni lá no Izakaya Issa. Dica da Nath. Veio com limão e wasabi. Com arroz ficou gostoso!

  5. Myrna

    Verdade, Dri, do jeito que eles servem lá, o sabor e o cheiro nem lembram intestino. Pensando bem agora, lembra alguns daqueles sanduíches de pernil vendidos em carrinhos/barracas. Vem um cheiro de “porcão” enquanto se mastiga, nada muito mais ofensivo – o Five Spices fez milagres. Se tivesse só intestino frito, iria bem com muita pimenta e arroz branco. LP vai ter que achar mais gente para dividir 😛 se for para experimentar, uma porção dá para umas 10 pessoas! Mas para fazer a refeição, acho que 4 dão conta, não é, Marisa? Além de exótico, aquilo alimenta bem. Mas já que o local tem um cardápio tão extenso e tantas coisas tão apetitosas… só se a curiosidade for ENORME!

  6. Marisa Ono

    Dri, uni não me traz boas lembranças. Morei perto do mar por algum tempo, lembro de ter aberto alguns, mas não me lembro do gosto. Só me lembro de um cheiro forte. Mas izakaya é uma ótima pedida. Nos que fui, tive a chance de provar muita coisa em uma noite só.
    Verdade, Myrna. Além das massas, haviam opções de pratos com porco, pato, frutos do mar, arroz, vegetais refogados, sopas… Creio que o melhor mesmo era ter chegado um pouco mais tarde, dado uma olhada nas outras mesas e pedir. Eu não sei o que era aquela tigelona com frutos do mar da outra mesa e fiquei um tanto quanto frustrada por não ter 3 estômagos e metabolismo de recordista japonês em comilança (daqueles que comem 50 cachorros-quentes em 12 minutos, por exemplo).

  7. Esse intestino de porco eu vi um nabe à venda por aqui…mas não experimentei.
    Pode-se dizer que este restaurante é sincero desde o cardápio!

    Esse japa do cachorro quente…magrinho que só ele…ôooo inveja q tenho… ando engordando só de respirar ultimamente…

  8. Marisa Ono

    Alexandre, para minha infelicidade, eu sempre fui gorda. Há alguns anos consegui equilibrar um pouco a balança. Mas agora, próximo de virar a curva dos 45, vejo que meu metabolismo também não é aquela coisa. Mas não invejo o japonês, não. Pelo que sei, esses recordistas geralmente possuem algum transtorno no sistema digestivo.

  9. Adoro esse restaurante. Entramos lá na primeira vez meio por acaso, à procura de um lugar que tivesse mais “nativos” que ocidentais, e agora ele e o Rong-He são os preferidos aqui de casa!
    A Josie e super fofa e o frango com gengibre é incrível: suculento, macio, firme e bem temperado. Delícia!

  10. Renato Murakami

    Estive no Jardim Meio Hectare num dia de casa vazia.
    Quem nos atendeu, acredito que fosse a proprietária: uma senhorinha muito simpática, que fala pouquíssimas palavras em portugues.

    Por não saber o tamanho das porçoes, minha mulher e eu exageramos no pedido:
    1 porção de guioza – pedimos frito, e lá veio ele com a massa levemente dourada e um recheio suculento (com um elemento surpresa pra mim: o coentro)
    1 porção de bucho apimentado – AEEEEEEEEE… minha mulher ficou longe, enquanto eu me esbaldava com aquela iguaria. Sem duvida, vou pedir SEMPRE que for lá (já tinha comido no Hong Re, mas ão fiquei muito fã). Que tempero era aquele??? Pode parecer um sacrilégio, mas me lembrou muito o caldo do Tchampong. Com bastante alho e cebolinha, fora a pimentinha na medida certa para fazer um caboclo suar de felicidade!!!
    1 yakimeshi – esse foi o único prato sem surpresas.
    1 taiwan xiaomieng (é assim que escreve?)- um “yakissoba” bem refrescante e leve, com moyashi e pimentoes frescos!
    1 mapo-tofu – sem comentários! o melhor mapo-tofu que já comi na minha vida. Melhor que da minha batchan! E olha que é difícil… (destaque para o leve aroma de missô, no meio daquela fragrancia picante)

    Nota 10… quero comemorar meu aniversário, aniversário de casamento, aniversário das filhas… enfim, tudo! no jardim meio hectare!

  11. Marisa Ono

    Renato, o tempero do bucho, quando comi, era o five spice, que é à base de anis estrelado, pimenta de Sichuan (também conhecida com fagara), cravo, canela e funcho. É uma mistura muito aromática, que mascara o cheiro forte do bucho. E as porções são grandes, sim. Ir sozinho é roubada. No dia, o que achei engraçado mesmo foi o fato deles estarem escutando música sertaneja. Devem de achar engraçado o som, o ritmo, sei lá…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *