11 Comments

  1. O nishime é diferente do odem ou é apenas um odem mais simplificado ? O caldo parece o mesmo. Na minha família se come muito nishime, oden assim cheio de coisas diferentes como o seu, nunca comi.

  2. Em casa tb comemos nishime. Minha vó sempre trás nas reuniões de família. O engraçado é q independe do prato principal: se é feijoada, churrasco, macarronada…ela gosta é de preparar.

  3. Maria Helena

    Fico encantada com receitas como essa de ODEM.
    Será que consigo fazer algum dia ? São tantos ingredientes diferentes… Enquanto não crio coragem de fazer em casa, onde encontro um restaurante que faça ?
    Um abraço

  4. diulza

    Oi Mariza, estou babando, não sei se consigo fazer pois é bem trabalhoso, bjs dona Ma,com este frio deve ser delicioso como tudo que vc faz. bjs. até

  5. Myrna

    nossa, que delícia!!! obrigada pela receita 🙂
    não conhecia nenhum desses rolinhos… pelo visto, oden de verdade só comi uma ou duas vezes, meu cunhado que fez com músculo em espetinho, os ovos cozidos etc. No Japão eu comia no refeitório da empresa e o oden era bem basicão, só com as massas de peixe em formatos diversos: triângulo, salsicha, quadrado etc.
    Fiquei super curiosa com o kinchaku, ingredientes tão comuns e com um jeito tão charmoso! Certamente, quando fizer oden, colocarei.
    Outra coisa que me surpreendeu, cozinhar o nabo na água da lavagem do arroz!
    Essas fotos esquentam só de olhar, agora *preciso* fazer aqui 🙂
    Bjs!

  6. Marisa Ono

    Andrea, pelo que sei, nishime é um cozido para os dias de festa (sobretudo Ano-Novo). Claro que, dependendo de região para região, vai ter características e ingredientes diferentes. O caldo pode ser escuro ou claro, pode ser completamente vegetariano ou ter frango ou outra carne ou produtos à base de pasta de peixe. Em comum, só o fato de que tudo é cozido até o caldo quase desaparecer. Com pouco caldo e mais salgado que o oden, o nishime aguenta mais tempo fora de geladeira, sem risco de estragar. E na hora de servir, vai à mesa em tigelas ou porções, mas sem caldo algum.

    O oden fica nadando em caldo e entre uma porção e outra, bebe-se um pouco dele. O caldo é suave e muito gostoso. Tão suave que na hora de comer um bocado, junta-se um pouco de miso ou mostarda. Outra diferença é o corte das porções. Geralmente no nishime, tudo é cortado “do tamanho de uma boca”, ou seja, com cerca de 3 cm de lado, para que entre na boca de uma vez só. No caso do oden, tudo é grande.

  7. Marisa Ono

    Maria Helena, eu não fui a nenhum izakaya no Brasil, mas já me disseram que na Liberdade há um restaurante que serve esse prato. Inclusive tem no balcão um tipo de banho-maria com divisórias, própria para oden. No entanto, não sei o nome do lugar, nem endereço…

  8. Hummm, neste caso eu nunca comi oden ! Me deu muita vontade de experimentar. Quando estive no Japão vi vendendo nas combinis mas achando que era bem parecido com o nishime ( que eu nem gosto tanto) acabei deixando a oportunidade passar. Vamos marcar de ir na Liberdade comer esta oden nipo brasileiro ? Vou descobrir onde é.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *