São João Está Dormindo…

Pediram-me para escrever sobre a ação que a Consul está promovendo, entitulada  Segredos do Brasil. É simples: você envia a foto do que você considera seu segredo para uma festa junina especial. As instruções estão no site: http://www.segredosconsul.com.br/ . As fotos selecionadas são expostas no painel do site e no final, o mosaico de fotos será exibido na tv e as 10 mais comentadas aparecerão em destaque.

As blogueiras do Mixirica, Panelaterapia e Recém-Casada cobriram as festas de diferentes localidades. Que delícia de relatos!  Quantos quitutes que eu desconheço!

Mas quanto ao meu segredo? Que sei eu sobre festas juninas, bicho da cidade, que só viu uma plantação, um terreiro de café depois dos 10 anos de idade? Todas as festas juninas que fui foram dentro de escolas ou clubes. A minha primeira festa junina foi – pasmem – dentro de um austero salão de um antigo clube de cavalheiros, na ainda Guanabara. Não gostava de ensaiar quadrilha, porque sempre fui desengonçada e não há nada que cure falta de coordenação motora. Dançava com sacrificio e como tal, esperava que terminasse logo.

No entanto, oferecia-me alegremente para colar metros e metros de bandeirinhas. Naquela época vendiam apenas as bandeirinhas de papel colorido. Eu estendia o barbante ao longo da sala, pegava uma bandeirinha, passava um pouco de cola – só um pouco, porque cola demais amolecia o papel, ele ameaçava derreter, virava uma coisa! -na ponta, dobrava com cuidado. Media dois palmos e colava outra. E assim eu passava algumas tardes, sem querer saber de tv, sem ler gibis, compenetrada em uma tarefa que eu julgava muito importante.

Eu acho muito triste um arraial com poucas bandeirinhas. E hoje nem são coladas à mão, outro dia topei com elas já prontas, em uma loja de material para festas. Para mim, festa junina sem enfeites, sem cor, é só outra quermesse, outra comemoração qualquer.

Mas como esse blog é, digamos, um blog culinário, não posso deixar de falar de comida. Vou contar outro segredinho: eu adoro canjica quentinha. E acho um absurdo fazer em outra época do ano que não seja inverno.Por quê? Oras, porque cada coisa tem sua época. Panetone no Natal, chocolate na Páscoa, bolo no aniversário. E é muito gostoso esperar por uma data, por uma época.

A campanha está chegando ao fim. E apesar de já estarmos em julho, sei que ainda estão rolando muitas festas Brasil afora. Conte você também o que considera o grande segredo das festas juninas. Envie sua foto e vamos todos montar o painel que represente a diversidade e a alegria do povo brasileiro.

Share This Post

One Comment

  1. Flavia

    Me criei no interior, que é onde meus pais. ainda vivem.
    No último dia 9 fizemos a nossa festa junina e essa foi de arrasar!
    Por incrivel que pareça não teve quadrilha, mas teve fogueira, muuuuuuuitas bandeirinhas (ao custo de um dia inteiro de cola, papel colorido, barbantes e todas as crianças e adolescentes da família empenhados), teve moda de viola, brincadeiras, caldinho de feijão, canjica com coco ralado fresco, milho e batata doce assados na brasa,
    bolos diversos, tapioca (não dá pra negar as origens), pé de moleque, pé de moça, paçoca…Ufa! E um sal de frutas depois.
    A festa foi na chácara onde meu pai vive e contou com a presença de umas cinquenta pessoas entre família e amigos próximos.
    Cada família levou um (uns) pratos e foi só alegria!!!
    O segredo eu acho que é a vontade de estar juntos, em torno da comida…álias eu acho que é isso que a faz tão especial!
    Um abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *