10 Comments

  1. Carlos Roberto

    Olá Marisa. Ótimo o seu blog. Era assim que se conservavam as carnes do porco quando ainda não haviam geladeiras. Além da pururuca, eram comuns os baldes de banha com costelinha frita. Era só cozinhar um punhado de quirera (canjiquinha de milho), refogar uma couve na banha e esquentar, também na banha, uns pedaços de costelinha. Não peguei essa época. Quem conta é o meu sogro, de São José dos Campos e pura linhagem caipira do Vale do Paraíba.

  2. Marisa Ono

    Carlos Roberto, de vez em quando (muito raramente) faço porco na banha. Cheguei a fazer mesmo quando estava no Japão (e era um custo juntar banha para isso). Minha mãe diz que matavam um porco, separavam as carnes e cortavam em blocos grandes. Tudo – ou quase tudo – ia para a banha: pernil, paleta, costela, suã. E a carne saía da lata para o feijão de todo dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *