Bottarga de Pobre

Quem me acompanha por aqui sabe que eu amo ovos. Ovos frescos são uma coisa deliciosa. Infelizmente não temos a felicidade de contar com ovos do dia, a não ser que se crie uma galinha no quintal ou tenha um produtor por perto. Não sei se repararam, mas nas caixas, só consta a data da embalagem e nenhuma informação sobre a data da postura.

E não pude deixar de ler o que a Mari Hirata escreveu sobre os ovos em “Segredos do Tamago”:

http://prazeresdamesa.uol.com.br/exibirMateria/176/segredos-do-tamago

A receita que ela dá, chamada de “Bottarga de Pobre”, chamou minha atenção. Fiz com gemas de ovos de pata, maiores, mais gordurosos. Ficaram gelatinosos, untuosos, um delírio. Na hora pensei: quero arroz! Combinaria bem e serviria para um assagoham (café da manhã japonês) rápido e gostoso.

Cortando, ele é translúcido, brilhante, vibrante. Marinado na pasta de soja, a gema perde água, fica durinha e com uma consistência de meio cozida. Se conseguir pôr a mão em ovos realmente frescos, vale a pena experimentar.

Share This Post

3 comentários em “Bottarga de Pobre”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *