Bolo com Physalis. Ou Camapu

Se bem que gosto mais de juá-de-capote. Já minha mãe prefere chamar de hoozuki. Há um bom tempo ganhei alguns frutos, viraram pés, deram frutos. No Japão minha mãe tinha um pé, no vaso, como planta ornamental. Viram arbustos cheios de pequenos balões que vão do verde ao amarelo-palha.

Por aqui estão todos plantados no chão, crescem bem sem cuidados. Aliás, cheguei a ver uns pés produzindo bem até em terreno baldio.

A safra anda boa com uma dúzia de pés produzindo. Não são tão grandes como os das frutarias, mas quando maduras (ou seja, quando o invólucro fica de uma cor dourada) são doce-azedas e suculentas. São frutas boas para serem comidas e não apenas decorativas.

Ah, quanto ao bolo, fiz uma adaptação de algo que antigamente fazia com cerejas. Vamos de cerejas tropicais, amarelas, então.

Bati 200 gramas de manteiga com 200 gramas de açúcar. Adicionei 200 gramas de ovos pesados com casca. Claro que quebrei as cascas. Adicionei um a um e fui batendo. Juntei 150 gramas de castanha de caju moídas, misturei e, por fim, 200 gramas de farinha de trigo peneirada e 2 colheres de chá de fermento em pó.

Distribuí em 3 formas rasas redondas. Espalhei as frutas e empurrei-as um pouco para dentro.

Depois de assados, não resisti à tentação de fazer algo completamente decadente e decorei com um pouco de chocolate derretido. Desculpem-me. Se não estiver contando calorias e o cardiologista liberar, sirva com sorvete ou uma boa colherada de creme batido.

 

Share This Post

7 comentários em “Bolo com Physalis. Ou Camapu”

  1. Adoro physalis, em pernambuco ele dão um outro nome muito engraçado: “saco de bode’. É fruta caríssima em São Paulo, riquíssima em vitamina C. Vou fazer sua receita!!!

  2. Marisa nem sabia o nome da fruta mais sei que é cara, e tb é exportada que bom que a terra ai é boa tem fartura né mesmo. ando com vontade de fazer geleia de kikan tem ai.

  3. Não tenho kinkan, Diulza. Aliás, aqui é péssimo para limões e laranjas, solo ácido, neblina pela manhã, tudo contribui para dar doença. No máximo, limão cravo.

  4. Olá Marisa!Você acredita que aqui na loja nasceu um pé, o Edson espertinho fez uma geléia e ficou ótima, um pouco azedinha,muito boa, eu que não dava nada pra essa fruta amei a geléia!!!! bjs

  5. Pois é, Valéria. Eu ganhei a fruta mas o pessoal aqui da redondeza estranha, diz que é fruta do mato, onde já se viu plantar uma coisa dessas! Estou com um bocado perdendo lá fora por causa da chuva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *