Horenso Burajiru-nuts ae

Ou espinafre japonês com molho cremoso de castanha-do-Pará. Ah, alguém vai dizer que castanha-do-Pará não é ingrediente da culinária japonesa. Não, não é, mas um dia poderá ser, assim como o amendoim, a batata-doce e outros tantos que  foram daqui para lá. Na verdade é uma variação do horenso goma-ae, prato muito comum da culinária japonesa.

E porquê fui inventar de trocar a pasta de castanha-do-Pará no lugar da pasta de gergelim? Primeiro porque essa pasta é gostosa.  E em seguida porque não resisto a variações. Usaria pasta de castanha de caju, se encontrasse uma sem açúcar. Pasta de amendoim também serve. Este creme fui conhecer na feira do Paladar, no hotel Grand Hyatt. Outros produtos desta empresa podem ser conferidos aqui: http://ouroverdeamazonia.com.br/produtos.php

Para fazer esse molho, é bem simples: basta misturar creme de castanha (ou pasta de gergelim ou pasta de amendoim sem açúcar) com shoyu e um pouco de açúcar. De vez em quando gosto de adicionar também um pouco de vinagre. Confira o sabor e misture a espinafre japonês cozido, passado em água fria, espremido e cortado em pedaços de 5 cm. Também fica bom com acelga cozida, ou vagens, sempre frios.

 

Share This Post

5 comentários em “Horenso Burajiru-nuts ae”

  1. Que idéia interessante! Acho que daria para fazer uma pasta “genérica” de castanhas do Brasil usando um bom liquidificador, nem que seja só um pouquinho para uma receita assim. A de caju eu já fiz uma vez, exatamente como se faz a de amendoim. Castanhas de bom sabor, não muito queimadas, levemente aquecidas e trituradas aos poucos, com muita paciência. fiz um biscoito com a pasta.

  2. Pois é, Gilda, já que nas saladas a gente costuma adicionar algum óleo, no caso das pastas, além da gordura, vai sabor junto. E ainda por cima, o molho é espesso e não escorre.

  3. Cara Marisa,
    Moro no Japão há 4 meses e decidi começar minha caminhada pela culinária japonesa. Descobri seu site hoje e já coloquei nos favoritos. Parabéns pelas receitas profundas em detalhe! No mais, adora horenso goma ae, e não vejo a hora de provar com castanha-do-pará!

  4. Deve ser bom demais. Aqui onde trabalho eu mesmo tirei da minha cartola de inventar o Shake no Goma ae como uma leve entrada. Piquei o salmão em pequenos cubos como se fosse fazer um ceviche, faço o Goma ae (igual a sua receita Ono-san), e adiciono uma leve pitadinha de sal, para não ficar tão adocicado e passar por cima do salmão. Misturo com proporções para que nenhum deles se sobresaia e finalizo com cebolinha finamente picada. Para mim fica bom demais, gosto com bastante goma ae, e quando você prova parece que só tem goma ae, mas quando começa a mastigar o sabor do salmão já vem se alinhando com o do goma…e é ai que a boca faz a festa hahaha.
    Acho legal também…claro…minha opinião…e já percebi que da certo, devido aos elogios que recebi do meu sushi…é usar Goma-Shio em vez de somente goma sobre os makimonos (preferencia os uramakis)..Pego um pilão (ainda quero comprar um suribachi haha) e macero goma torrado com uma leve pitada de sal. Ai coloco em um recipiente e coloco sobre os sushis. Quando você coloca ele na boca parece um KABOOM de sabor…creio que o sal ajuda a salivar mais então ele faz com que você sinta tanto o goma sobre o sushi quanto aos outros ingredientes quando vai mastigando…
    Claro, creio que isso não é nada clássico haha…mas aprendi com um professor lá do Japão que os japoneses usam muito goma-shio bem moidinho sobre o gohan..Foi ai que tive a idéia haha…
    Não quero ficar aqui falando demais hahaha…só trocando idéias…
    Abraços

  5. Anderson, vou ser sincera: não sei se eu iria gostar. Primeiro porque não sou fã de salmão. Depois porque salmão já contem uma certa gordura, mais a gordura da pasta de gergelim, acho que seria demais. Quanto ao uramaki com shio-goma, não é sal demais, não? O arroz já tem sal. Eu dispenso shoyu e prefiro comida com pouco sal. Eu sei que o brasileiro em geral costuma consumir muito, mas muito mais sal do que o recomendado e do que eu costumo consumir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *