Pizza Brotinho do Marcílio

Antes que alguém me excomungue, já vou avisando que não encaro pizza brotinho como pizza. Encaro como um lanche, da mesma categoria da esfirra, do pão de queijo, do joelho. Não pesquisei e nem irei pesquisar se na Itália fazem pizzas pequenas.

Resolvi escrever sobre essa massa porque andaram pedindo mais receitas da “Cozinha do Desespero“, que parece ser a categoria favorita de quem mora sozinho, trabalha muito e que não quer comer fora todos os dias. Essas pizzas podem ser congeladas e descongeladas diretamente no forninho elétrico.

A receita da massa ganhei há muito, muito tempo do Marcílio Maia, marido da minha prima. É fácil e muito boa. A massa fica crocante sem ser dura.

Para a massa:

200 gr de farinha de trigo

20 gr de fermento biológico fresco

150 ml de água morna

1 ovo

2 colheres (de chá) de açúcar

1/2 colher (de chá) de sal

1 colher de manteiga ou margarina (não-light, as light têm baixo teor de gordura)

1 colher de sopa de pinga ou rum ou até mesmo vermouth

Amasse 1 xícara de farinha com o fermento e cerca de 50 ml de água. Deixe descansar por 30 minutos. Acrescente os demais ingredientes, sendo a água morna por último, aos poucos, até formar uma massa macia. Não é necessário sovar com muita paixão, só até ela ficar com uma aparência uniforme, lisa.

Forme uma bola com a massa e deixe fermentar até dobrar de volume.

Divida a massa em porções e faça discos da espessura desejada. Lembre-se: vai crescer. O tamanho e a quantidade de porções eu não dou porque vai depender do tamanho do seu forno elétrico ou convencional. Eu costumo fazer com cerca de 12 cm de diâmetro.  Não me lembro bem, mas creio que renda uns 4 discos.

Arrume em uma assadeira, espalhe um pouco de molho de tomate, deixando as bordas limpas. Deixe crescer por uns 10 minutos e leve ao forno bem quente. Asse até cozinhar mas sem dourar. Deixe esfriar, pode ser na assadeira mesmo.

Depois é só arrumar a “cobertura”, a seu gosto. Embale cada pizza com filme plástico e congele. Eu não costumo deixar por muito tempo congelado, não, no máximo dois meses.

No caso do tomate, eu prefiro colocar na hora, não congela muito bem. Na hora de comer, é só retirar o filme plástico e levar ao forno bem quente até o queijo derreter e dourar.

A título de curiosidade, ganhei uns micro-tomates que minha mãe aproveitou as sementes.

São menos ácidos que os tomatinhos selvagens que eu tinha por aqui.

E são bem menores que os tomate-cereja. Não sei que o nome, nem sei se são comercializados.

Share This Post

8 comentários em “Pizza Brotinho do Marcílio”

  1. Oi Tiemi… Que legal ver uma receita do tio Marcílio… Como só fico na casa da vó durante pouco tempo, não sabia que o tio cozinhava…
    Um abração para vc e para a tia!!!

  2. Não sabia, Juliano? O Marcílio foi padeiro na juventude, por muitos anos. E não foi fácil, trabalhando na madrugada. Naquela época fazia-se muito pão doce nas padarias. Ele inclusive comentou comigo e depois percebi que mudando o formato, o pão muda de textura também. Uma vez ele fez pão de abóbora com coco, muito bom!
    Abraços!

  3. Eu tinha uma receita de massa de pizza que era minha queridinha, sempre fazia ela. Vi essa receita aqui e fiquei tentada a testar pois tinha feito os donuts daqui e ficaram deliciosos. Realmente ficou divina. Meu marido que é um comedor de massa crua amou e disse que foi a melhor que já fiz e ele tinha razão. Não sobrou nada de pizza pra contar história!!
    Adoro seu blog as receitas são maravilhosas!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *