Ichigo Short Cake

O bolo de morango com chantilly costuma ser comido nos aniversários e no Natal, lá no Japão. Não me perguntem o motivo. Eles adoram esse bolo e toda confeitaria tem a sua versão. A massa é de um bolo-esponja ou génoise, morangos fatiados e creme de leite batido. Simples assim. Os leitores do blog andaram me cobrando e eu não fiz por um único motivo: sou um desastre em confeitaria. Alisar com uma espátula, usar a manga de confeiteiro para mim são coisas que exigem mais habilidade que eu tenho. Por um instante pensei em fazer uma versão “naked”, ou seja, sem cobertura, mas cheguei à conclusão que ficaria ainda mais feio.

Para um bolo com cerca de 20 cm de diâmetro:

4 ovos

120 gramas de açúcar

1oo gramas de farinha de trigo peneirada

20 gramas de fécula de batata peneirada

30 gramas de manteiga amolecida

20 gramas de leite

Bata os ovos com o açúcar até ficar muito leve. Levantando as pás, o creme dá para formar desenhos, sem afundar imediatamente. Isso leva uns 15 minutos.

Peneire a farinha com a fécula sobre a mistura de ovos. Misture cuidadosamente, com movimentos de baixo para cima.

Aqueça o leite com a manteiga até derreter a manteiga. Despeje ainda quente na tigela e misture com cuidado.

Asse em uma forma redonda. Para evitar que grudasse no fundo, cortei um disco de papel impermeável e coloquei no fundo da assadeira. Despejei a massa em cima. Forno pré-aquecido, cerca de 180 graus (quente mas não demais), até dourar.

Desenformei e deixei esfriar sobre uma grade. E foi para a geladeira por uma noite antes de cortar e rechear.

No dia seguinte, cortei ao meio. Pincelei toda a superfície de um dos discos com uma calda rala, feita com água fervida com açúcar. Não deixei o bolo molhado demais. É que se o bolo estiver muito seco, vai absorver muito a umidade do chantilly e ele vai ficar logo com aparência ressecada. O bolo ficou muito amarelo por conta dos ovos caipiras, não é efeito do editor de imagens, não.

Usei cerca de meio litro de creme de leite fresco, batido com um pouco de açúcar até formar um creme leve, mas que formava picos firmes. Um pouco (muito pouco) de baunilha para aromatizar. O creme foi para dentro do bolo, que recebeu fatias de morango e mais creme. Por cima, outro disco do bolo, que também foi pincelado com calda.

O resto do chantilly foi para cima e os lados do bolo. Não vou mentir, não, não ficou bonito, queria que ficasse mais liso, mas foi isso que consegui.

Como o recheio é de frutas frescas e creme, não é boa ideia guardar por muito tempo na geladeira, não. Um ou dois dias.

 

 

Share This Post

11 comentários em “Ichigo Short Cake”

  1. Marisa ficou ótimo, eu sou uma pessoa que não levo jeito pra confeitaria. tem uma certa delicadeza que eu não tenho. Por isto não faço nada confeitado .bjs. nào esquece dia 26

  2. Vou ser honesta aqui: deu tanta vontade de comer que acho que vou chutar a preguiça e (tentar) fazer um o mais parecido possível com este seu, inclusive com ovos amarelinhos. Ai, ai! Vou ter que chutar a balança também.

  3. É, Gilda, aqui cometi o pecado da gula. Vezes seguidas. Sei que não deveria comer doce à noite (digestão não anda muito boa, dizem que prejudica o metabolismo, bla-bla-bla) mas não resisti.

  4. Ele não cresce tanto, não. Mas não murcha, não. O ar dos ovos batidos já é suficiente. Aliás, só vai murchar se receber uma corrente de ar muito fria enquanto ainda está meio cru, então não é bom abrir o forno nos primeiros 10 minutos.

  5. Olá! Poderia me dizer por favor o que seria essa “fécula de batata”? Já procurei em vários lugares, porém ninguém conhece esse nome… Queria muito tentar reproduzir esse bolo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *