About

Meu nome é Marisa Tiemi Ono, tenho 53 anos.

Nasci em Itaguaí (Rio de Janeiro) mas, como vivi dos 3 meses de idade aos nove na Cidade Maravilhosa, digo que sou carioca. Cozinho desde os oito anos de idade, então sou uma cozinheira. Mas também fui desenhista arquitetônica, bancária, trabalhei em indústria plástica, automotiva, alimentícia e eletrônica. Foram mais 16 anos no Japão e até agora acumulei 14 endereços diferentes, cobrindo 2 Estados, 3 Províncias e 6 cidades.

Comida, para mim, é para presentear, para dividir. Como para viver, mas cozinho para agradar. Comida é parte da nossa cultura e comemos o nosso momento.

Contato: marisaono@gmail.com

Também estou no Twitter como marisaono, no Facebook como Marisa Tiemi Ono e no Instagram como @marisatono

 

11 comentários em “About”

  1. Ola marisa andando na net procurando sobre paes,vi uns post seus achei interessante!Moro no japao ha 10anos e fim de semana quando tenho tempo faco pao!Nao fiz o fermento natural pk acho k nao vou ter tempo pra alimentar,essa vida do japao as vezes e muito corrida!Mas comprei um livro na livraria japonesa e tem umas receitas de paes k parecem bem gostosos ,sao paes rusticos!Mas na receita pede pra colocar farinha 100% ,agua sal ,po de malte e fermento natural!Qdo vi a foto do pao fiquei muito empolgada mas ja estou na vigesima tentativa e nem fica parecido!Mas ainda nao desisti!Se vc puder me dar uma informacao eu agradeceria:eu troquei o fermento natural por fermento seco istantaneo,sera k devo acrescentar mais farinha pk o fermmento e outro?A receita original e assim: 250g farinha de pao frances,170ml agua,sal,2g po malte e 125g de fermento natural!sera k tenho k colocar mais trigo pk o fermento e outro??se quiser te passo a foto da receita e do pao em japones e te mando a foto do pao do livro!A foto do meu pao nem vou mandar senao vc vai chorar!rs!Se vc puder me ajudar fico muito agradecida!Abracos,sierlei kawabata,mie ken,suzuka!

  2. Maria, aí no Japão existe fermento natural liofilizado. É bem mais fácil partir dele. Não me lembro bem das instruções, mas era algo como misturar com água e farinha, fermentar por um certo período, etc. Pelo menos não há riscos de desenvolver um fermento com cheiro estranho. E dá para comprar pela internet, embora seja encontrado em lojas especializadas para confeitaria e panificação:
    http://item.rakuten.co.jp/nk/408234/
    Trocar o fermento natural por fermento biológico seco vai resultar em um pão com aroma e textura diferentes.

  3. Prezada Marisa,
    Assim como você, penso que comida é para dividir e presentear. Assim, mesmo sendo engenheiro gosto muito de cozinhar e sempre reuno meus familiares quando preparo alguns pratos da cozinha brasileira que sei fazer. Felizmente sou elogiado.
    Gosto muito da cozinha japonesa pois meu Ditian tinha um restaurante no bairro da Liberdade, porém por azar, nunca aprendi a cozinhar.
    Agora aposentado, estou pensando em abrir um restaurante de comidas japonesas, mas acho que preciso aprender muito ainda. Obtem assisti sua palestra no Asian Food Show. Parabéns pela apresentação, foi muito esclarecedora e me incentivou a conhecer mais sobre o assunto.
    Em breve, espero estar participando dos cursos que você ministra.

    Um abraço.

  4. Mauro, cozinhar é uma coisa, ter um restaurante é outra. É um negócio, é preciso administrar, controlar gastos, cuidar do atendimento, ter fornecedores… É algo para ser pensado com cuidado.

  5. Estava procurando sobre iogurte e caí num post aqui de 2009. Me identifiquei com sua descrição: sou Mineira e lá sempre a mesa estava posta pra receber alguém para um lanche. Estou há quase 5 anos no Rio e sinto falta disso. Agora estou indo para São Paulo. Vou acompanhando aqui para aprender mais e desenvolver os conhecimentos e habilidades na cozinha 😉

  6. Cara Marisa. Vendo uma de suas publicações, me interessei qdo você disse que ia tentar isolar o koji kim a partir do arroz. Vc conseguiu. Onde vc compra o koji kin? Perdi o endereço que vc deu. Sou uma sua admiradora. Abs

  7. Marisa já fiz uma de suas receitas e adorei! Entrei agora no seu site à procura da receita daquela batata com calda e gergelim. E vi que vc nasceu em Itaguai. Que surpresa! Eu morei lá até os meus 18 anos. Um beijo pra vc!

  8. Luciana, a batata doce com calda é o daigaku imo, publiquei há muito tempo. Só nasci em Itaguaí, saí de lá com 3 meses de idade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *