Produtos – Resumo dos Últimos Dias

Encontrei há algum tempo, na Liberdade, esses mini pimentões. Não são pimentas, são pimentões em tamanho reduzido, mesmo. Devem de ficar bonitos recheados. Fora isso, nenhuma diferença com o outro. Também tinha amarelo. Na Mercearia Oriental, na rua dos Estudantes. Custou R$3,90 a bandeja.

Também na Mercearia Oriental encontrei esse chá verde em pó de Shizuoka. Não, não é matcha. É apenas chá que foi triturado. A gente faz chá com ele, o pó acaba assentando no fundo da xícara. Ao contrário do que muita gente pensa, nem todo chá verde é amargo ou taninoso. Sou suspeita, morei muito tempo na província de Shizuoka. Os chás que consumia por lá costumavam ser delicados, aromáticos. Fico pensando se não funcionaria em um bolo. Provavelmente ficaria amarelado, chás verdes não costumam resistir muito ao calor.

Sementes de milho doce da Embrapa. Dando uma pesquisada sobre variedades de milho doce, encontrei uma página da Embrapa sobre 3 variedades. Diziam que poderiam oferecer amostras se houvesse disponibilidade em estoque. Escrevi e me enviaram um quilo de sementes de milho Superdoce e Doce Cristal. Veremos no próximo verão. Para quem não sabe, as variedades de milho doce são… doces. Possuem pouco amido e não prestam para fazer pamonha. Normalmente são produzidas para serem consumidas verdes, mesmo, cozidas ou assadas. Costumam ser mais macias (exatamente por conta de terem menos amido). A página da Embrapa é esta:

http://www.cnph.embrapa.br/paginas/produtos/cultivares/milhodoce_doce_ouro.htm

Batata-doce de polpa amarela, casca vermelha quase roxa. Encontrei no Varejão do Ceagesp. Para quem está de frente do relógio, fica na ala esquerda, quase no final da feira. Tem da outra batata, chamada de “japonesa”, com casca mais rosada e também tinha batata-doce roxa (polpa roxa). Essa, para mim, é novidade. Muito, mas muito doce, cremosa, sem fibras. Ficou boa cozida no vapor e também assada. Estava a R$4,00/kg.

 

Share This Post

O Livro “O Chá”

Há pouco mais de uma semana recebi um pacote da Cristina Ruiz. Conheço-a há talvez 18 anos sem nunca tê-la visto. Durante muito tempo conversamos madrugada adentro (no meu caso, tardes de sábado). Depois perdemos um pouco o contato. Soube do lançamento do livro e até iria na noite de autógrafos, mas estava no meio de uma mudança.

No pacote, dois livros: este, “O Chá”  e outro, “O Brasil do Sol Nascente”. Li o primeiro e, apesar de beber chá, de ter morado em uma região produtora de chá, ter conversado com produtores, provado vários tipos, ainda tive muito o que aprender. Coisas como classificação, processo dos chás chineses e também sobre a história do chá no mundo e no  Brasil.

O livro também fala do mate e dos chás de ervas, especiarias e flores. É para ser lido com calma, não só para absorver a informação como se deleitar com as lindas fotografias de diversos artistas. Confesso que passei a olhar para a xícara de chá com outros olhos. É maneira de ingerir água segura, é história, cultura, deleite e ainda é produto precioso.

O livro é da Biluma Cultural e quem estiver interessado no livro (e nos outros da editora), o contato é:

editora@bilumacultural.com.br

 

Share This Post

Chás Chineses

Ganhei da Nice chás autenticamente chineses. O da esquerda, Pu-erh da província de Yunnan. O da direita, de crisântemos.

O chá Pu-erh eu já havia bebido, há muito tempo. Houve uma época em que em levava para o trabalho uma garrafa térmica cheia de chá, frio, quente ou gelado e ia bebendo ao longo do dia. Também bebia muito oolong nessa época e chá verde japones após o jantar. Esse chá, segundo a Nice, é fermentado e é preciso escaldá-lo. Quando vi isso em um programa de tv, achei estranho. Jogar fora a primeira água do chá! Bem, o fato é que feito dessa maneira, o chá tem um sabor bem mais agradável, menos amargo. Gosto de tomar depois da refeição e durante o dia. Não sei se foi impressão minha – creio que sou bastante impressionável – mas sempre achei que esse chá tem um efeito, digamos, digestivo em mim.

Já o chá de crisântemo, é mais aromático, lembrando mesmo o cheiro da flor, muito diferente de outro chá que comprei e que foi uma grande decepção. Por isso, eu preferi tomar entre as refeições ou já tarde da noite, sem interferência da comida. Mas o fato é que eu desconheço as regras para beber chás.

Share This Post