Cartilagem e Barbatanas de Tubarão: A Hora do Pânico

Nesses anos de blog não faltou gente me perguntando sobre terapias alternativas, propriedades “desintoxicantes” ou coisa que o valha de alimentos.  Eu sempre sugeri que procurassem um médico e, caso ele recomendasse, um nutricionista. Sim, é perigoso sair tomando chás e consumindo plantas desconhecidas. Não é porque é “natural” que não oferece risco. Existem plantas e animais tóxicos na natureza. Existem também aqueles que dentro de certos limites não fazem mal, mas consumidos em grandes quantidades e com constância, sim.

Graças a uma conversa no Facebook fico sabendo de barbatanas de tubarão falsificadas. Até certo ponto, achei que era uma boa ideia fazerem um produto que as substituísse, já que a pesca de tubarão para a retirada das barbatanas é extremamente predatória e cruel, condenada em alguns países. Mas…

Pois é, tem um “mas”. Um assunto levou a outro e, por fim, a informação que identificaram uma neurotoxina presente em diferentes tecidos de diferentes espécies de tubarões: o amino-ácido β-methylamino-l-alanine (BMAA). A concentração varia: 1,450 ng/mg no rim, 588 ng/mg no fígado e 58 ng/mg in músculo para uma média de 1,028 ng/mg nas barbatanas.

Resumindo: consumir cápsulas de cartilagem de tubarão ou sopa de barbatana pode leva-lo a desenvolver uma doença degenerativa no cérebro. Ah, mas como? Se há tem tanta gente falando maravilhas, vendendo… Pois é. Dizer é fácil, provar é difícil.

E tem mais um ponto contra o consumo de tubarão e outros grandes predadores marinhos: a alta concentração de metais pesados encontrados neles.

E a notícia nem é nova, já tem um ano. Mais informações aqui, no site do NCBI ( National Center for Biotechnology Information).

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3346796/

PS: Se você consumiu cápsulas de cartilagem de tubarão, é melhor consultar um médico, que talvez indique um neurologista.

 

 

 

Share This Post

5 Comments

  1. Diulza Angelica dos Santos

    Pois é coitado do tubarão. Marisa hoje tudo é para não ficar velha , para ter saúde e cada hora aparece alguma coisa nova na alimentação tem esperto para tudo como diz vende ilusão compra quem quer né mesmo.agora na mina santa ignorância penso como fica os chineses quem mais consome?tem vários..animais em extinção por causa deles que usam partes do animal para remédio.

  2. Marisa Ono

    Pois é, mundo afora ainda há quem use (e não é pouca gente) chifre de rinoceronte, fígado de urso e outras partes de outros animais em extinção. Eles alimentam um comércio ilegal e uma atividade criminosa. E tudo pra quê? Se hoje existem medicamentos testados e que, usado corretamente, são bem mais seguros e eficientes. E o pior é que em muitos lugares as autoridades fazem vista grossa. Infelizmente ainda a ignorância é grande e crendices são mais poderosas que o conhecimento científico, Diulza.

  3. Rodrigo

    Marisa, boa tarde!

    Sou esportista e pratico escalada, contudo, a mais ou menos 1 mês comecei a sentir dores na parte interna do cotovelo direito (mais precisamente no epicôndilo), acredito ser uma epicondilite medial.

    Fui ao médico e ele simplesmente me receitou uma injeção de anti-flamatório. Tomei a injeção e que aparentemente me curou, mas agora comecei a sentir dores no outro cotovelo no mesmo local. Dessa vez, procurei outro médico que me receitou biprofenid 150 mg, iniciei o tratamento tem 3 dias. Como sou muito danado, resolvi ir no Mercado Central de BH procurar alguma coisa que poderia ajudar na minha lesão e acabei comprando 3 produtos, o Piruvato de Cálcio, Vitamina D3 e a tal cartilagem de tubarão.

    Chegando no trabalho, resolvi pesquisar sobre os produtos e encontrei coisas desagradáveis em relação a cartilagem de tubarão. Agora estou decidido a não usa-lá, com relação ao Piruvato de Cálcio e Vitamina D3 você acredita que elas possam me auxiliar na cura desta lesão?

    Grato

  4. Marisa Ono

    Rodrigo, não sou médica. Eu, particularmente, prefiro me ater a medicamentos testados e indicados por profissionais da área médica. E em alguns casos, prefiro ter a opinião de mais de um médico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *