Pão Sírio ou Pita

Outro dia soube que minha mãe jamais tinha comido pão sírio (conhecido como pita) fresco, feito em casa. Quando avisei que faria esse pão, ela torceu o nariz, pensando no pão seco e sem gosto que se compra pronto. Na verdade, eu estava insegura quanto à esse pão, não faço há uns vinte anos.

400 gramas de farinha de trigo

4 colheres de chá de açúcar

1 colher de chá de sal

2 colheres de chá de fermento biológico seco instantâneo

300 a 350 ml de água morna

2 colheres de azeite

Misture a farinha, o sal, o açúcar e o fermento.

Adicione a água aos poucos, misturando bem. A massa deverá ser pegajosa.

Sove por cerca de 10 minutos. Conforme sova, a massa vai ficando mais elástica e não gruda tanto nas mãos.

Adicione o óleo, sove apenas para misturar e deixe descansando em uma tigela coberta com um filme até dobrar, quase triplicar de tamanho.

Abaixe a massa com o punho fechado. Corte a massa em 8 porções. Enrole cada porção em uma bola e deixe descansar por 10 minutos.

Aqueça o forno com uma assadeira dentro. É que para esse pão, a assadeira também tem que estar bem quente.

Abra cada porção de massa em um disco com mais ou menos 20 cm de diâmetro.

Deixe descansar por 10 a 15 minutos em uma assadeira ligeiramente polvilhada com sêmola de trigo.

Coloque cada disco de massa na assadeira quente. Mantenha o forno na temperatura máxima.

Em poucos minutos o pão vai estufar como um balão. Vire (cuidado para não amassar o pão nem se queimar) o pão e deixe cozinhar por um minuto, mais ou menos. O pão não fica corado e sim bem clarinho.

Retire do forno e coloque sobre um pano e abafe com um outro pano ou toalha, para que não resseque. Guarde em saco plástico bem fechado para que não resseque. Pode ser consumido em alguns dias, mas o ideal mesmo é comer logo.

Como eu gosto de comer esse pão? Cortando ao meio (forma uma bolsa) e enchendo-o com alface, tomate, pepino em fatias finas, talvez queijo, rosbife…

Share This Post

2 comentários em “Pão Sírio ou Pita”

  1. Marisa,
    Amo este pão!
    Vou deixar uma dica, que li uma vez e que a prática demonstrou ser verdadeira: ao abrir o disco de massa, não se deve virá-lo. Abre-se apenas de um lado. Assim, ao se assado, infla e forma a desejada bolsa.
    É isso.
    Um abraço,

  2. Oi, Silvio. Sabe que eu nunca viro massa enquanto estico? Giro, para esticar em forma mais regular. Acho que vou experimentar da próxima vez, para ver se tem fundamento. O que sei é que é sempre melhor cortar as porções e enrolar, nada de ficar pegando pedacinhos de massa para completar uma porção. Pelo que parece, quanto menos cortar a massa, depois de fermentada, melhor. A estrutura da rede de glúten é melhor preservada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *