Entre Estantes e Panelas e Outras Coisas

Não cozinhei nos últimos dias. É que estava com uma cadela com pneumonia. Foram quase duas semanas de cuidados. Estava perdendo as esperanças na quinta-feira, foram muitos dias sem comer e ela raramente se levantava para beber água. Mas voltou a se alimentar, está bem mais animada e até voltou a me fazer companhia nas andanças aqui na horta e tem até latido.

Na segunda-feira que vem haverá outra palestra da rodada “Entre Estantes de Panelas”, desta vez com a barista Isabela Raposeiras, o professor Julio Pimentel Pinto e como intermediante, o Carlos Doria. É gratuito e vai ser no Teatro Eva Hertz, Av. Paulista, 2073. Mais informações aqui:

https://www.facebook.com/events/548624315224781/

No sábado fui a uma festa de confraternização no Teakettle. Cada um levou alguma coisa e nos divertimos muito. Tudo estava ótimo e lamentei não ter um estômago maior. Felizmente não choveu e ainda houve um “amigo secreto”. Ironia, eu tirei o Naoki Otake (que só conhecia via Facebook) e ele me tirou. Mas fiquei aliviada porque meu presente era azul, que é uma cor que ele gosta muito.

E eu ganhei um conjunto de chá em ferro fundido. Não tinha, aqui em casa só temos bules de louça. E eu sempre achei esses bules lindos, com essas bolinhas formando um padrão em torno dele.

E quando cheguei em casa, vi que um amigo trouxe um fogão. Precisava mesmo de um, com chama mais potente que o fogão comum, para cozinhar quilos de soja para o missô e quilos de arroz para o mochi do Ano-Novo. O que tínhamos já estava em péssimo estado, apesar da reforma e era até perigoso usa-lo.

E, por fim, continuo conduzindo umas experiências. Agora com o katsuo-bushi, peixe seco que confere o sabor característico a sopas, ensopados e outros tantos pratos japoneses. É rico em umami, como a grande maioria dos alimentos fermentados. Ainda não sei se vou conseguir, estou na metade de um longo processo que consiste em cozinhar no vapor, defumar, desenvolver bolor e secar. Apesar da aparência, o cheiro é bom.

 

Share This Post

4 Comments

  1. Gilda

    Me deixa absolutamente encantada, que você ponha de lado tantas coisas que faz, sempre que algum animalzinho precisa de cuidados. Poucas pessoas tem tanto carinho e responsabilidade. Você defumou os peixes no projeto de defumador com fogão reciclado? Estão bem interessantes.

  2. Marisa Ono

    Sabe que o fogão reciclado funcionou bem para defumar linguiças? Preciso fazer um post com ele, defumar umas coisas, talvez um bacon e tirar fotos, coisa que não fiz das vezes anteriores.
    Não só animais, Gilda. Ao longo da minha vida cuidei de 3 pessoas doentes, que passaram por cirurgia. E esse cuidar não foi só acompanhar o tratamento e a recuperação, mas também teve a questão de prover o sustento e o conforto mínimo. Mas, no final, a gente só faz o que está ao nosso alcance, não?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *