Bolinhos de Tofu

Bolinho de Tofu

Não é uma receita excepcional. Não é uma receita divina-maravilhosa. É apenas algo que faço quando o tofu ameaça sobrar. Não sei de onde veio, não sei a origem e nem desde quando fazemos em casa. Serve de acompanhamento ou petisco. Quente, é crocante por fora e macio por dentro. Depois que esfria, murcha.

Bolinhos de Tofu

1 tofu

1 ovo

1 ou 2 colheres de farinha

Sal, pimenta do reino

Salsa, cebolinha.

Coloque o tofu sobre um prato e coloque outro por cima. Deixe que perca água por algumas horas. Quanto menos água contiver, menos farinha será necessária.

Amasse, junte o ovo, sal e farinha até formar uma massa macia, porém, não mole. Tempere com sal, pimenta do reino, adicione salsa, cebolinha, carne moída ou camarão, legumes picados. As possibilidades são muitas. Mas não exagere na quantidade, porque corre o risco da massa perder a “liga”. Também já fiz com uma pitada de curry ou uma colher de shoyu na massa.

Frite às colheradas em óleo quente até dourar.

Sirva a seguir.

Share This Post
Esta entrada foi publicada em acompanhamento, Cozinha do Desespero, receita com as tags , , . ligação permanente.

5 Responses to Bolinhos de Tofu

  1. kyko diz:

    Bolinho de tofu= Gan(pato selvagem)modoki(imitação). Dizem que foram inventados pelos monges de templo zen ( que não poderia comer carnes, peixes e ….so vegetais). Ficam muito gostosos se colocar legumes picados, camarão, franguinho, carnes etc..experimente. Acompanhados com uma gelaginha, ficam maravilhosos.
    Não coloque muita farinha. Experimente farinha de aveia.
    abracos
    kyko

  2. admin diz:

    Pato é Kamo, e não Gan (ganso). Como não tem nada a ver com o sabor de ganso, é possível que tenha derivado de gan-tsukune-modoki (tsukune é um bolinho feito com carne de ave moída, misturada com ovos). Outra teoria plausível é que gan também pode significar “redondo”, embora não explique porque o emprego do kanji de “ganso”. Há até a possibilidade de não ser de origem japonesa e sim, portuguesa, já que as frituras foram introduzidas no Japão por estrangeiros.

    O ganmodoki não leva ovos. O tofu é prensado para perder água e, para dar liga, usa-se yamaimo (uma espécie de tubérculo, parecido com o cará), acrescentando-se vegetais picados, alga, sementes de ginko, etc, mas nenhuma carne ou produto de origem animal. Apesar de poder ser comido assim que é frito, é mais comum prepara-lo em cozidos, como o oden.

  3. Myrna diz:

    Aqui em casa tem um livrinho que ensina a tirar a água do tofu apertando num pano de algodão. Bom, funciona, mas… deve-se reservar um pano só para isso. E eu, pelo menos, preciso fazer um pouco por vez, então as migalhas caem pra todos os cantos toda vez que eu abro o pano. Sem falar que, se o pano tem um furo maior que a trama do tecido (como o meu), funciona como uma extrusora e consegue-se um fio de espaguete de tofu a cada porção espremida.
    Moral da história: próxima vez, vou usar a sua técnica. Chega de farofa de tofu no chão e espaguete pendurado na borda da tigela…

  4. Marisa Ono diz:

    É, Myrna. Desse jeito, o tofu perde água lentamente (mas se tempo não for problema, é só deixar algumas horas na geladeira) mas não esfarela. Se não me falha a memória, já acelerei o processo colocando tudo no microondas (o prato de baixo tem que ser maior e fundo). Não posso afirmar porque o microondas daqui de casa quebrou e sei lá quando vou arruma-lo…

  5. Marisa Ono diz:

    Obrigada, Ceci. E parabéns para o seu pai, que a apóia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *