Banana Kasutera

 

Quando criança, volta e meia encontrava um doce em formato de banana em supermercados e mercearias. Tratava-se de uma massa de bolo recheada com creme. Durante muito tempo achei que era uma invenção brasileira. No entanto, quando fui ao Japão, encontrei o mesmo formato, com uma massa muito parecida mas recheada com pasta de favas brancas. Pesquisando um pouco, fui saber que esse doce já existia no Japão em 1904, com o nome de banana manju. Anos mais tarde, ganhou o nome de banana kasutera. Mais informações, aqui (em japonês): http://bananamuseum.co.jp/page/history_01.html

Semana passada ganhei de minha tia a forma para fazer esse doce. Não encontrei na Liberdade e em lugar algum, mas lembrei-me que havia visto em Londrina. Feita em alumínio grosso, é formada de duas metades unidas por uma dobradiça.

Essa forma é levada à chama do fogão. Depois de alguns desastres, cheguei à conclusão que a melhor maneira era encher uma metade – a parte escrita “banana” para baixo, porque é a que vai ficar em cima e precisa ficar mais bonita – colocar o recheio com um saco de confeiteiro, fechar, esperar uns 20 segundos e colocar mais massa. Nesse tempo, as bordas ficarão mais firmes e a massa crescerá um pouco, formando uma “parede” para caber mais massa.

Recheio:

5 bananas-prata

Cerca de 1/2 xícara de açúcar

Corte as bananas em rodelas e cozinhe em fogo brando com o açúcar, até ficarem macias. Usei banana-prata porque ela não escurece com o cozimento e o creme ficará com uma cor clara. Depois de frio, despejei esse doce em um liquidificador e adicionei:

30 gramas de amido de milho

20 gramas de farinha de trigo

500 ml de leite

Açúcar à gosto

Bati tudo até ficar homogêneo e levei a

o fogo, mexendo sempre, até formar um creme espesso. Se preferir mais firme, aumente a quantidade de amido de milho. Se quiser uma cor amarelada, mais bonita, adicione 2 ou 3 gemas.Usei o recheio frio, mas não gelado.

Fiz duas massas. A primeira, que ilustra o começo deste post, ficou mais pesada, mas a cor e a aparência ficou mais bonita, com um dourado mais uniforme.

1 ovo grande

40 gramas de açúcar

220 ml de leite

200 gr de farinha de trigo

40 gr de manteiga derretida, fria

2 colheres de chá de fermento em pó

Bata o ovo com o açúcar, até espumar. Adicione o leite e mexa.

Peneire a farinha com o fermento e acrescente à mistura, mexendo sem bater.

Por fim, adicione a manteiga derretida e misture com calma.

Essa massa é menos líquida e foi preciso espalhar na forma – já untada com óleo – com uma espátula estreita.

A outra massa ficou muito mais leve e gostosa. No entanto, como as bolhas da massa eram bem maiores, acabou com um resultado diferente.

3 ovos

60 gramas de açúcar

1 pitada de sal

80 gramas de farinha de trigo

40 gramas de manteiga derretida, fria

1/2 colher de chá de fermento em pó

Bata os ovos com o açúcar e o sal até que fique claro, leve. Eu testo o ponto levantando as pás da batedeira e fazendo uma espiral. O desenho se mantém por alguns segundos.

Adicione a farinha e o fermento, peneirados. Misture com cuidado. Por último, a manteiga derretida.

A cor ficou ficou tão intensa porque usei ovos de galinha caipira, com gemas de cor bem intensa.

Por conta das bolhas grandes, as bananas ficaram com aspecto meio “tigrado”…

Mas, particularmente, gostei do resultado, ultra fofo, desmanchando na boca.

E ainda não desisti, não, pretendo testar outra receita de massa.

Esse post foi sugestão de um leitor – sinto se não encontro agora o e-mail e não me lembro do nome. Também tentei descobrir o fabricante, em vão. Não há nenhuma marca, estampa ou sinal que identifique de onde veio. Na falta da forma,  creio que dá para improvisar fazendo a massa em uma frigideira, como uma panqueca e dobrando-a ao meio.

PS: A leitora Arlete me avisa que encontrou na loja chamada Gaspeça de Londrina, na rua Sergipe, esquina com Pernambuco. O telefone lá é:  (43) 3326-1464. Custou R$48,00. Espero que eles despachem via Sedex para outras cidades.

 

Share This Post

65 comentários em “Banana Kasutera”

  1. Por favor, poderia me dizer o nome da loja onde a tua tia comprou a forma. Tenho um filho que é “vidrado” nestas bananas. Moro em Londrina mas não faço a menor idéia onde encontrar. Muito obrigada por passar as receitas e se possivel o endereço. Sou brasileira mas acho que os meus filhos são japoneses, nunca vi gostarem tanto da comida japonesa.

  2. marisa boa nite gstaria se me pudesse me ajudar pis fui na casa de uma amiga em sp e ci um bolo pequeno com semntes em cima uma delicia ela na sabe nome mais e fofissim disse que foi comprado na liberdade bol japones uma delicia mais ja procurei e na encntrei se puder me ajudar ficarei muit grata sou d interior e gstaria de pder fazer desse bolo desde ja te agradeç e um bolo pequeno com poucas semntes por cima dele e muito fofo

  3. OLá!!!QUANDO PEQUENA EM BAIXO DO MEU PREDIO HAVIA UMA FÁBRICA DESSES BOLOS, ACORDAVA TODO DIA COM AQUELE CHEIRO MARAVILHOSO.O JAPONÊS QUE TRABALHAVA LÁ SEMPRE ME DAVA O QUE QUEBRAVA DA FORMA E EU LEVAVA TUDO PRA CASA.
    EU FICAVA OLHANDO ELE FAZER, ERA MUITO LEGAL, EO CREME ENTÃO, MARAVILHOSO.OBRIGADA POR COLOCAR A RECEITA VOU VER SE ENCONTRO A FORMA . BEIJOS

  4. Oi Marisa Ono,que agradecer pela postagem desta banana que venho procurando a tempos,tb quando era criança comprava na feiras livres nas bancas de bolacha.Uma delícia que quando vi a
    foto da banana parece que senti o gosto na boca,muito obrigada vou fazer mesmo nao tendo a forma.bjs obrigada

  5. Oi Marisa! Descobri o seu site dias atrás procurando uma receita de canudinho recheado… comecei a navegar e me deparei com essa receita da bananinha!!!
    Aqui na minha cidade, o recheio era de creme de confeiteiro mesmo, sem sabor de banana. Há alguns anos, aprendi a fazer dorayaki, que fica com o mesmo sabor da bananinha que a gente comprava aqui, só que bem mais fácil de fazer…
    Enfim, só queria te agradecer por disponibilizar suas receitas e, junto com elas, um pouco da sua história e das suas recordações…
    Bjs

  6. Eu também tenho lembrança da infância com esta bananinha, que comprávamos no Mercado Municipal em Curitiba. Acho que vi poucas vezes na feira livre tb, mas era em uma única barraca de uma feira mais do centro da cidade. Vou ver se encontro a forma e faço a receita. Saudades desse sabor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *